2017 Statement on Michael Schmidt Case / Declaração sobre o caso Michael Schmidt

 2017 IATH/ITHA STATEMENT ON MICHAEL SCHMIDT CASE

Institute for Anarchist Theory and History (IATH)
Instituto de Teoria e História Anarquista (ITHA)

 

[Tradução ao português abaixo]

On 28 September 2015, Michael Schmidt was suspended from the Institute for Anarchist Theory and History (IATH) / Instituto de Teoria e História Anarquista (ITHA), a multi-national research project in the Global South.[1] This followed shocking claims by US-based publisher, AK Press, that South African-based Michael Schmidt, a well-known writer on anarchism, was an “undercover fascist” and “white nationalist” seeking “to infiltrate the anarchist movement.” The serious charges demanded immediate action. Michael Schmidt was thereby completely excluded from IATH/ITHA decisions, internal processes and new publishing 18 months ago, pending investigations.

IATH/ITHA has carefully and continuously discussed the case, the evidence and the debates. We have always favoured an evidence-based, just and fair resolution[1] and support the process, initiated in 2016 by the Anarkismo network, for a commission of enquiry.[2] We reached a number of conclusions, but decided to wait for the commission to give a proper treatment to the whole case. Now, noting Anarkismo’s stated lack of “capacity to deal with this problem”[2] and slow progress in the commission, a year later, we have resolved to remove Michael Schmidt from our board:

  1. We defend our anarchist current’s long history of fighting all forms of domination and exploitation, including colonialism, fascism, imperialism, racism and reactionary nationalism;
  1. We reject, unreservedly, statements and activities attributed to Michael Schmidt that express fascist and racist views (regardless of the reasons he given for those actions e.g. undercover journalism on the far-right);
  1. We note serious weaknesses in Michael Schmidt’s replies so far to his accusers;
  1. Michael Schmidt’s (publicly admitted) actions to frustrate earlier investigations into allegations of right-wing activity (e.g. by the Zabalaza Anarchist Communist Front / ZACF of South Africa) were unethical;
  1. As individuals, as IATH/ITHA and our associated political organizations and networks, we were not involved in, and completely distance ourselves from, these unacceptable actions;
  1. We note that this saga has been used to tarnish, by association, a wide range of anarchist and syndicalist groups, individuals and currents, and unjust accusations by critics.

When we formally communicated to Michael Schmidt our decision to remove him from IATH/ITHA, he responded unexpectedly: a confession of some guilt. We insisted that he issue a comprehensive public letter, explaining “exactly what [he] did,” and we listed issues requiring clarification. Our intention was to be as transparent as possible and to ensure that important material entered into the public domain.

After some delay, we received the public letter, of which we highlight the following points:

  1. Michael Schmidt says he has a history of mental illness and severe personal/emotional problems.
  1. Michael Schmidt states he became secretly influenced by the right and its racist arguments for a time, while at the same time maintaining numerous and sincere public engagements with the left;
  1. Michael Schmidt does not admit to any project of infiltrating the anarchists, stressing instead that his private and public views and actions became increasingly incoherent;
  1. Michael Schmidt admits that he deliberately concealed his secretive political deviations from members of Anarkismo, ZACF, IATH/ITHA, CAB, as from Lucien van der Walt and others;
  1. Michael Schmidt states that his role in the development of the book Black Flame was a very limited one, and that the book was primarily written by Lucien van der Walt;
  1. Michael Schmidt apologises for the political difficulties and personal pain caused by his actions, and states that he has since renounced the radical right.

In noting these points, we do not excuse Michael Schmidt’s actions, or endorse his letter.

During the exchange over the public letter, Michael Schmidt asked to resign from IATH/ITHA due to his actions. We stated that we would consider allowing him to resign if his letter was satisfactory. But while his public letter shows a notable desire to make amends, it has important omissions, not fully addressing all the weaknesses in his replies to critics. Furthermore, Michael Schmidt’s admission of guilt and apologies are important, but come after 18 months of publicly and privately denying any guilt.

So, after careful consideration, we cannot grant his request to resign. We state that Michael Schmidt is removed from IATH/ITHA board, ending all links to our Institute.

Our decision is not meant to replace the Anarkismo commission, which IATH/ITHA still supports as a means of developing libertarian “justice and ethics” and precedents “for similar situations in the future”.[2] We do not think that our position, based on unquestionable facts, will harm the commission, and we reserve the right to modify our position in light of the commission.

Finally, we state that we have urged Michael Schmidt to publish his letter and we are available to send the letter to interested parties. We have also sent the letter to the Anarkismo delegates group that is in charge of the commission.

That’s it for now.

IATH/ITHA Council

 

[1] https://ithanarquista.wordpress.com/2015/09/28/akpressschmidt/ 
[2] http://anarkismo.net/article/29047

 

 

DECLARAÇÃO SOBRE O CASO MICHAEL SCHMIDT

Instituto de Teoria e História Anarquista (ITHA)
Institute for Anarchist Theory and History (IATH)

Março de 2017

 

Em 28 de setembro de 2015, Michael Schmidt foi suspenso do Instituto de Teoria e História Anarquista (ITHA) / Institute for Anarchist Theory and History (IATH), um projeto de pesquisa multinacional com base no Sul Global.[1] Isso ocorreu depois da chocante acusação da editora estadunidense AK Press de que o sul-africano Michael Schmidt, um conhecido pesquisador do anarquismo, era um “fascista disfarçado”, e um “nacionalista branco tentando se infiltrar no movimento anarquista”. A gravidade destas acusações exigia uma ação imediata. Michael Schmidt foi – em seguida, há 18 meses – completamente excluído da participação em decisões, processos internos e novas publicações do ITHA, enquanto aguardávamos os desdobramentos do caso.

O ITHA/IATH discutiu cuidadosa e continuamente o caso, as evidências e os debates. Desde o início, defendemos a necessidade de uma solução justa e que se fundamentasse em evidências.[1] Também apoiamos o processo, iniciado em 2016 pela rede Anarkismo, de uma comissão de investigação.[2] Chegamos, neste meio tempo, a algumas conclusões, mas decidimos esperar para que a comissão pudesse dar o devido tratamento ao caso. Neste momento, entretanto, notando a mencionada falta de “capacidade para lidar com este problema”[2] da rede Anarkismo, assim como o lento progresso da comissão, um ano depois, decidimos excluir Michael Schmidt de nosso quadro.

  1. Defendemos a longa história de nossa corrente anarquista de combate a todas as formas de dominação e exploração, incluindo o colonialismo, o fascismo, o imperialismo, o racismo e o nacionalismo reacionário;
  1. Rejeitamos completamente as declarações e atividades atribuídas a Michael Schmidt que expressam posições fascistas e racistas (independente das razões que as tenham buscado justificar, como no caso da produção jornalística clandestina sobre a extrema direita);
  1. Identificamos sérias fragilidades nas respostas de Michael Schmidt àqueles que o acusaram;
  1. As ações (publicamente admitidas) de Michael Schmidt para frustrar investigações prévias de seu envolvimento com a direita (por exemplo, no caso da Zabalaza Anarchist Communist Front – ZACF, da África do Sul) foram antiéticas;
  1. Como indivíduos, como ITHA/IATH – da mesma maneira que as organizações políticas e redes a nós associadas – não tivemos qualquer envolvimento com estas ações inaceitáveis e nos distanciamos completamente delas;
  1. Notamos que este episódio vem sendo usado para envolver, por associação, uma série de grupos, indivíduos e correntes anarquistas e sindicalistas, e para produzir acusações injustas sobre eles.

Quando comunicamos formalmente Michael Schmidt de nossa decisão de excluí-lo do quadro do ITHA/IATH, ele respondeu de maneira inesperada, confessando parcialmente sua culpa. Insistimos que ele publicasse uma carta pública explicando “exatamente o que [ele] fez” e fizemos uma lista das questões que exigiam resposta. Nossa intenção era sermos os mais transparentes possível, para garantir que este importante material passasse ao domínio público.

Depois de algum tempo, recebemos a carta pública, da qual destacamos os seguintes aspectos:

  1. Michael Schmidt diz que tem um histórico de doença mental e graves problemas pessoais e emocionais;
  1. Michael Schmidt declara que foi secretamente influenciado pela direita e por seus argumentos racistas durante algum tempo, mantendo concomitantemente diversos compromissos sinceros e públicos com a esquerda;
  1. Michael Schmidt não admite qualquer projeto de infiltração no anarquismo e enfatiza, distintamente, que suas posições e ações públicas e privadas foram se tornando cada vez mais incoerentes;
  1. Michael Schmidt admite que deliberadamente escondeu seus desvios políticos secretos de membros da rede Anarkismo, da ZACF, do ITHA/IATH, da CAB, bem como de Lucien van der Walt e de outros;
  1. Michael Schmidt declara que seu papel na elaboração do livro Black Flame foi muito limitado, e que este livro foi escrito fundamentalmente por Lucien van der Walt;
  1. Michael Schmidt pede desculpas pelas dificuldades políticas e pelas mágoas pessoais causadas por suas ações e sustenta que abandonou há algum tempo as posições de extrema direita.

Ao destacar estes pontos, enfatizamos que não estamos desculpando Michael Schmidt por suas ações e nem endossando sua carta.

Durante a troca de mensagens acerca da carta pública, Michael Schmidt pediu para se desligar do ITHA/IATH, em função de suas ações. Colocamos que poderíamos considerar este pedido se sua carta fosse satisfatória. Entretanto, ainda que sua carta pública assegure um notável desejo de ele tornar-se uma pessoa melhor, ela possui importantes omissões e não aborda completamente todas as fragilidades de suas respostas aos críticos. Ademais, sua admissão de culpa e seu pedido de desculpas são importantes, mas chegam depois de 18 meses de negação pública e privada de qualquer culpa.

Depois de um cuidadoso exame, consideramos que não podemos aceitar sua solicitação de desligar-se. Declaramos que Michael Schmidt está excluído do quadro do ITHA/IATH, pondo fim a todo e qualquer vínculo entre ele e nosso Instituto.

Nossa decisão não pretende substituir a comissão da rede Anarkismo, que o ITHA/IATH continua a apoiar como um meio de promover “justiça e ética” libertárias, assim como precedentes “para situações similares que possam ocorrer no futuro”.[2] Não entendemos que esta nossa posição, estabelecida com base em fatos inquestionáveis, prejudicará a comissão, e nos reservamos ao direito de modificar nossa posição em função de seus resultados.

Finalmente, informamos que insistimos para Michael Schmidt publicar sua carta e que estamos disponíveis para enviar a carta aos interessados. Informamos também que enviamos a carta para os delegados da rede Anarkismo que são responsáveis pela comissão.

É isso, por ora.

Conselho do ITHA/IATH

 

[1] https://ithanarquista.wordpress.com/2015/09/28/akpressschmidt/
[2] http://anarkismo.net/article/29047

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: